segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Uma Lição: Carta a Um Jovem Corinthiano


Querido jovem torcedor,

Tenho exatos 81 anos e nasci no Bom Retiro, pouco antes que
minha família se mudasse para a região do Tatuapé.

Nasci no ano da inauguração do Parque S. Jorge e
orgulhosamente Campeão Paulista.

Sou corinthiano desde que sou gente. E não lembro de um dia
sequer em que não tenha pensado no nosso Timão.

Fiz muitas coisas na vida, como nadar no Tietê e ajudar a
construir Brasília, trabalhando como eletricista.

Lá, eu fiz muitos amigo candangos. Ele me conheciam como o
"corinthiano", porque eu costumava andar pelo Planalto
Central com uma camisa branca, com nosso distintivo bordado
sobre o coração.

Convivo sem problemas com um problema na perna esquerda,
resultado da época em que não tinha vacinas neste país.

Mas não foi isso que me impediu de chutar a bunda de um
palmeirense que cuspiu numa bandeira minha, em 1.960,
época do nosso jejum.

Eu tenho visto que a nossa torcida mudou.

Nosso time sempre foi o time do povo, como diziam os amigos
do meu pai, no "Bonrá", o apelido do bairro.

Hoje, vemos um diretor falar que tudo virou business e
ficamos todos quietos, dando razão a esse absurdo.

Na minha época de jovem, o jogador era escolhido por um
olheiro, e devia responsabilidade somente ao clube.

Hoje, eles preferem dar dinheiro aos tais empresários e a
nossa torcida acha que está certo, se conforma.

A torcida do Corinthians não foi assim nunca. Ela sempre
apoiou, mas sempre protestou. Pois quem apóia, paga e
derrama lágrimas, tem sim o direito de expor sua opinião.

Pelo que vejo hoje, dizem que as pessoas mobilizadas
não são corinthianos. O vídeo mostrado por meu
sobrinho-neto, falava em "modinhas" e "cornetas",
palavras que eu não conhecia.

Então, ele me explicou.

Segundo ele, os jovens usam esses nomes para criticar
aqueles que condenam as negociatas e exigem um Corinthians
vencedor.

Por essa regra, os torcedores participativos, que se
sentem responsáveis pelo Timão, são considerados
"sampaulinos".

Eu vi a torcida do Corinthians muitas vezes furiosa.

Havia quem pedisse dinheiro emprestado da sogra para tentar
assistir a um Corinthians x Palmeiras.

Mas o rapaz ficava fulo da vida se o time não correspondia.

Meu pai encrencou com meia cidade em 1.933, quando o
cartola da época vendeu meio time para fazer dinheiro.

Aí, fomos enfrentar o palestra e tomamos de 0 x 8.

A torcida nossa fez uma loucura e chegou a botar fogo na sede.

Eu não acho a violência o modo correto de protestar. E nem
acho que jogar cadeira no diretor é coisa de gente com cabeça
no lugar.

Mas eu entendo como essas coisas são no espírito do
Fiel, principalmente dos mais simples, que têm o Corinthians
com uma das únicas alegrias da vida.

Eu já não era novinho na época da Ditadura, mas ainda ia aos
jogos e vi a Gaviões da Fiel protestar contra os bandidos do
clube e vi também essa turma pedir Anistia e Diretas-Já.

Em 1.984, havia muitas bandeiras nossas nos comícios da
Sé e do Anhangabaú.

Meu pensamento pode estar meio desordenado, mas eu quero
dizer que a gente sempre tem que assumir o comando das
coisas. Se a gente gosta mesmo, tem que apoiar e cobrar.

O que aconteceu com as vendas desses jogadores foi um
exemplo de que eles querem é fazer lucro rápido e não pensam
em você, jovem torcedor.

Hoje, o business é tudo. Mas isso não está certo. Eles não
respeitam os contratinhos e deixam os empresários tomar
conta do que é seu.

Foi por isso que entregamos o sonho da tal coroa tripla.

Agora de noite, vi nosso técnico dizendo que não dá mais, que
não temos mais chances. E isso antes de acabar o primeiro
turno, hein...

Pra mim, isso é triste, pois nunca vi o Corinthians se render.

Jovem torcedor, lute pela nossa tradição. Não tenha medo de
erguer a voz, pois esse clube nós fizemos para você. Cuide
dele com carinho e respeite sua tradição.

Não deixe este diamante se quebrar.


Rubens Calábria, Vila Matilde, SP, Capital, Brasil.

5 comentários:

Mônikita disse...

Muito legal.

Os 23 anos de fila tb foram marcados por uma torcida que nunca nem abandonou e nem deixou de apoiar, pelo contrario cresceu 3 x mais... mas engana-se quem acha que naquela epoca só se dizia amem.
Uma coisa é apoiar o CORINTHIANS lucidamente e outra é de maneira omissa.
Pq não é só pq vai ao estadio que está apoiando.
Isso é importante, mas é importante questionar a politica do clube.
Fiscalizar com vigor e PRINCIPALMENTE não se conformar.
Nosso compromisso não pode ser com merda de diretória nenhuma ... pq eles PASSAM MAS O CORINTHIANS É IMORTAL e é do povo.
PIOR QUE A IMPRENSA É O CORINTHIANO OMISSO.

Adorei o texto vou coloca-lo no meu blog tb.

VAI CORINTHIANS LUTAI POR NÓIS!

Filipe disse...

É, Seu Rubens, a coisa tá feia mesmo. Não é só no futebol, não.

Meu Vô Custódio talvez o tenha visto, nessas andanças pelo Parque, em um domingo de jogo na Fazendinha, e ele sempre me dizia o mesmo que o senhor está dizendo agora.

Ele costumava dar bengaladas na cabeça de quem ficava quieto na Arquibancada...

Hoje, eu mesmo, fico lá, no meio dos Gaviões, veja só o senhor, gritando pra que todos gritem, pois alguns ficam quietos...
E olham feio pra mim, como se eu estivesse fazendo algo muito "errado"...

Essas vendas, fruto de contratos fracos, pois enfraqueceram o Corinthians, que também foi se deixando enfraquecer, é a consequência disso tudo. Foram quase quinze anos, que quase arruinaram o espírito dos 23 anos...

Graças a São Jorge temos o senhor e outros Corinthianos como o senhor para não apenas nos lembrar, mas MARTELAR em nossas cabeças que o CORINTHIANS É GRANDE, MAIOR QUE NÓS PENSAMOS, e se levarmos essa Bandeira adiante, como levamos, TEMOS QUE FAZÊ-LO SEGUNDO OS PRECEITOS DOS ANCESTRAIS!

AQUI É CORINTHIANS!!!

Cascarravias disse...

São os efeitos colaterais do trabalho de propaganda que esses senhores andam fazendo por lá.

Enfiaram na cabeça de muita gente que esse time do começo do ano era o fruto da incrivel capacidade de planejamento e organização da diretoria. Agora muitos são incapazes de acreditar no que está diante de todos: era tudo discurso e propaganda. Mantem uma fé cega de que tudo isso é um instante, e se apegam a qualquer especulação vazia anunciada.

Mesmo diante de tudo isso, não acho que um breve período de tentativa de pasteurização vá

Anônimo disse...

Ninguem quer o Timao por baixo, mas parece que uma turma gosta.
O mundo mudou, e reclamam que o futebol nao eh business.
O que é então?
kkkkkk O Federico vem de graça, o Christian eh burro, deveria jogar de graça. kkkkkkk
Alooowww! Acordem!!!! estamos no ano de 2009. No money, no football, ok?
It's business, of course.! Donkeys!
kkkkk

Gonzalo disse...

Sr. Blogueiro do Resistência Corinthiana:



Meu nome é Gonzalo Prudkin, sou doutorando na UFBA e estou fazendo uma pesquisa sobre blogs futebolísticos no Brazil. Queria enviar por e-mail a você mais informação sobre a pesquisa em andamento e se gostaria de participar nela através de um breve questinário online. Se você quer participar envie confirmação a este mesmo email. Muito obrigado,



Atensiosamente,

Gonzalo Prudkin

Facóm-UFBA

Bahía

licprudkin@hotmail.com